A Ilha da Noite

Para aqueles que amam o maravilhoso mundo criado pela Mestra inigualável Anne Rice. Lestat, Louis, Armand, Marius, Mayfairs, A Talamasca... Todos estão aqui.
 
InícioCalendárioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
Ir à página : 1, 2  Seguinte
AutorMensagem
Jaja de Lioncourt
avatar
Administrador
Administrador

Mensagens : 6550
Data de inscrição : 03/01/2009
Localização : New Orleans

MensagemAssunto: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   1/25/2009, 2:41 am

Há algum tempo não "viajava" no site da nossa querida autora. Ao fazê-lo noite passada encontrei esse texto onde ela explica e (pasmem) defende suas novelas antigas (antes de sua conversão).
Eu sei que o texto em ingles é grande porém muito interessante!
Adoraria debatê-lo com vocês.

_________________
Bebe comigo?



Última edição por Jaja de Lioncourt em 2/28/2010, 5:00 am, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://ailhadanoite.forumeiros.com
Jaja de Lioncourt
avatar
Administrador
Administrador

Mensagens : 6550
Data de inscrição : 03/01/2009
Localização : New Orleans

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   1/25/2009, 2:42 am

TO MY READERS -- On the Nature of My Earlier Works.

Since the publication of Christ the Lord, Out of Egypt, which included an Author’s Note regarding my Christian conversion and my new commitment to Christian literature, I have received many interesting emails about my earlier novels. Questions have come up as to the value of “dark stories,” and as to why I don’t, as a Christian, renounce works that include witches and vampires and other elements of the supernatural.

I have been answering these emails one by one now for several years.

I also receive a steady stream of emails from readers of The Vampire Chronicles expressing dismay that I might have renounced these books.

Questions from journalists regarding my earlier works and my attitude towards them are as frequent now as these questions were in 2005 when Christ the Lord, Out of Egypt was published.

Obviously the subject is of concern to people, and no answer that I have made in any public interview, either on television, or in a newspaper, or on radio, is going to settle the matter.

So I feel it is imperative to make this statement now – not only for the new Christian readers who don’t know my earlier novels, but to clarify my position for the older readers who have supported, and remain avid fans of, my earlier works.

The intention here is not to offer these older works to Christian readers. It is simply to clarify what I see as a deep misunderstanding about the nature of these works.

Let me begin by saying that I see my earlier novels as part of a long tradition of “dark fiction” which includes some of the most highly prized religious works read in Western culture. Dante’s Inferno is a dark work in which Hell is described in considerable detail. Shakespeare’s Hamlet and Macbeth are both “dark works” in which ghosts play a key role. Macbeth involves three witches as well as a ghost, and the best lines in the play are spoken by the nihilistic villain, Macbeth himself. These plays are so highly prized by our culture that, in my time, Macbeth was taught in high school classes. One could not graduate from high school in those days without knowing about the ghost of Hamlet’s father, or about the mad obsessive cries of the guilt ridden Lady Macbeth.

Another dark work, John Milton’s world famous poem, Paradise Lost, focuses intensely on the population of Hell, and some have said that its real hero is Satan, a character who apparently has the best lines in the book.

Mary Shelley’s Frankenstein, a dark classic, is a highly moral indictment of the mad doctor for his meddling with life and death and abandoning the monster, his wretched offspring.

The novels of the Bronte sisters are some of the most famous “dark stories” of the nineteenth century, and Jane Eyre, with the lurid spectacle of the mad woman discovered in the attic of Mr. Rochester’s house -- and Jane’s supernatural call to return to her former beloved -- is, by any standards, a seminal work. I first read this book in the library of my Catholic high school in New Orleans.

_________________
Bebe comigo?

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://ailhadanoite.forumeiros.com
Jaja de Lioncourt
avatar
Administrador
Administrador

Mensagens : 6550
Data de inscrição : 03/01/2009
Localização : New Orleans

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   1/25/2009, 2:42 am

During that same period, I read in our textbooks the novel, Great Expectations by Charles Dickens, a grim dark story of a young man’s ambitions and sufferings dominated by the gothic horror of the mentally diseased Miss Havisham, a woman living out her life in a rotting wedding dress near the table of a rotting wedding feast, as she destroys the innocence of the hero and the heroine of the book.

Dickens’ Christmas Carol, a gothic ghost story, is even more well known than Great Expectations, and is widely viewed as one of the greatest Christmas stories ever written. The book invites the reader on a journey through pain and darkness led by three ghosts. The Victorians had a long well attested tradition of telling ghost stories at Christmas time. They had no suspicion of the genre on moral grounds.

The short stories of Nathaniel Hawthorne, written in America, involve witches and Satan, and are highly moral in tone. I recommend above all others, the short story Young Goodman Brown, which involves an innocent man who witnesses a witches’ Sabbat.

Herman Melville’s masterpiece Moby Dick is an intensely dark story, involving biblical allegory and violence, as the famous Captain Ahab, in pursuit of the white whale, takes almost his entire crew to a watery grave.

Though I am not personally a fan of Flannery O’Connor, I would be remiss if I didn’t mention her dark and violent short stories and that she has a considerable Christian following who see high moral significance in her work.

I could list many more examples. Let me add only the legend of Faust. This is one of the most famous dark stories in any language. For those who find Goethe’s version too demanding, there is the opera Faust by Gounod – a beautiful and highly accessible version of the old tale. F. W. Murnau’s silent film, Faust, is now available to the public as well.

My point here is that “dark stories” have been part of our literature for a very long time, and that they are viewed as highly valuable by educated people throughout the West.

I am hardly stating an original idea when I say that such stories are transformative. They invite the reader on a journey which reflects perfectly the formula of Aristotle for great drama: as one reads (or watches the film or play), one feels pity and fear, and eventually experiences catharsis. One is taken to a place, through the literary experience, to which one might not have ever gone on one’s own. I feel strongly that dark stories demand that the audience earn the transformation; they require a certain suffering on the part of the audience as the price of eventual affirmation.

I would like to submit that my vampire novels and other novels I’ve written, such as the Mayfair family trilogy, and the novels, Servant of the Bones, Violin, Cry to Heaven and Feast of all Saints are attempting to be transformative stories as well. All these novels involve a strong moral compass. Evil is never glorified in these books; on the contrary, the continuing battle against evil is the subject of the work. The search for the good is the subject of the work.

_________________
Bebe comigo?

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://ailhadanoite.forumeiros.com
Jaja de Lioncourt
avatar
Administrador
Administrador

Mensagens : 6550
Data de inscrição : 03/01/2009
Localização : New Orleans

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   1/25/2009, 2:43 am

Interview with the Vampire, the novel that brought me to public attention, is about the near despair of an alienated being who searches the world for some hope that his existence can have meaning. His vampire nature is clearly a metaphor for human consciousness or moral awareness. The major theme of the novel is the misery of this character because he cannot find redemption and does not have the strength to end the evil of which he knows himself to be a part. This book reflects for me a protest against the post World War II nihilism to which I was exposed in college from 1960 through 1972. It is an expression of grief for a lost religious heritage that seemed at that time beyond recovery.

Because I have written so many books, I will take only one other example for examination: the novel about the vampire Marius called Blood and Gold. The theme of this novel has to do with whether or not the Italian Renaissance and the artistic movement that reflected its humanism can redeem the central character and those he seeks to shepherd as apprentices, as he himself seeks to create great works of art. The debate between the characters Marius and Armand has to do with whether Renaissance humanism can redeem Armand from a despair experienced by him after the loss of his Russian orthodox childhood. The true villains of the novel -- a band of Satanists who are presented unsparingly as cruel and deluded -- destroy the potentially beautiful refuge which Marius has created for his “family” and himself.

Much could be said, and has been said, about all of my works. I would like to say that the one thing which unites them is the theme of the moral and spiritual quest. A second theme, key to most of them, is the quest of the outcast for a context of meaning, whether that outcast is an 18th century castrato opera singer, or a young boy of mixed blood coming of age in ante-bellum New Orleans, or a person forced into a monstrous predatory existence like the young vampire, Lestat. For me, these themes are inherently significant and noble themes. They are worthy of exploration; they are evocative; they can and do reflect the deepest questions that humans face.

Yet, somehow, my earlier novels have been dismissed out of hand -- by people who haven’t read them -- as “immoral works.” They are not immoral works. They are not Satanic works. They are not demonic works. These are uninformed and unfair characterizations of these books, and this situation causes me deep personal pain.

If I had it to do over again, I would not use the word “vampire” in my novels. In 1976, when Interview with the Vampire was published there was no “vampire literature” published in America. There was no “Goth culture.” Certainly there was no “vampire lifestyle” and I am not sure there is any “vampire lifestyle” today. As far as I know vampires do not exist. I certainly don’t believe that vampires exist.

In 1976, I felt that the vampire was the perfect metaphor for the outcast in all of us, the alienated one in all of us, the one who feels lost in a world seemingly without God. In 1976, I felt I existed in such a world, and I was searching for God. I never dreamed that the word, vampire, would prevent people from examining this book as a metaphysical work. I thought the use of the word was a powerful device.

As I look back on it, I have to say that the use of this word did indeed bring me popular attention, but it brought me that attention at a dreadful price.

I also have to confess that, whatever my intentions, there is now no consensus among my very wide readership as to what all these earlier books really mean. In some ways, that is interesting and encouraging. In other ways, it can drive an author to desperation.

I’ve enjoyed not only great popular success, but serious critical attention as well. I’ve had the great honor of having my books assigned to students in high school and in college. But I also receive evidence almost daily that I am rejected out of hand as some sort of demonic writer -- or goth popular writer -- by those who have never read a word of these books.

_________________
Bebe comigo?

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://ailhadanoite.forumeiros.com
Jaja de Lioncourt
avatar
Administrador
Administrador

Mensagens : 6550
Data de inscrição : 03/01/2009
Localização : New Orleans

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   1/25/2009, 2:44 am

The existence of my Goth audience continues to create misunderstanding. Yet I remain convinced that many of the young “Goth” readers who write to me are hungering for transcendence. They gravitate to these books because they find their environment sterile, secular, and materialistic and to a large extent unsatisfying. They “identify” with my heroes as my heroes search for beauty and for truth. These young readers have deluged me with poems and paintings in past years. They, as well as other readers, express openness to the painting, music, history and philosophy discussed in my books. These readers are looking for something enduring and something meaningful, and I cherish their response to these books.

Are there those who misunderstand these works? Of course. Any art involves risk. Michelangelo’s beautiful naked figures on the ceiling of the Sistine Chapel caused a later Pope to want to cover up their private parts. History has not been kind to that Pope. Even a pretty Holy Card, with a feminine faced Jesus bending tenderly toward the viewer can alienate some one from religion who finds the image sugary and insipid and concludes that religion itself is artistically and morally bankrupt.

There is no art without risk. There is no Christian art without risk. Reading a book is an experience. Looking at a painting is an experience. There is no experience without risk.

Again, I do not encourage Christian writers to approach my earlier books. That has not been my purpose here. My purpose, however, has been to clarify the ambition of these books, the intentions of the author to write something of complexity and innate value, something that will transform the reader for the better.

Individual readers, and history, will determine whether or not I succeeded in my intentions. But at least you know now what drove me to create these works and why I can not and will not renounce them. And perhaps you will forgive me for adding here that these earlier works have always enjoyed, from the beginning, a large Christian audience, and something of a literary audience, made up of those who appreciate their spiritual and moral themes.

For me, the entire body of my earlier work, reflects a movement towards Jesus Christ. In 2002, I consecrated my work to Jesus Christ. This did not involve a denunciation of works that reflected the journey. It was rather a statement that from then on I would write directly for Jesus Christ. I would write works about salvation, as opposed to alienation; I would write books about reconciliation in Christ, rather than books about the struggle for answers in a post World War II seemingly atheistic world.

My books reflect now, as they always have, what I see and feel and struggle to understand.

Let me also affirm the following: my goal has always been to write for the mainstream. I have tried to create books that could be read by eleven year olds as well as adults from all walks of life. I have never wanted to write for an elite. Entertainment, plot, action, character -- all these elements are important to me. I think books for the popular audience can be great books. Dickens is my hero because he was both a popular writer and a great writer. That is what I would like to be.

Therefore my books are deliberate mixtures of many ingredients. They work on different levels. They inevitably attract different people for different reasons. But popularity alone has prejudiced some people against them. This is a source of pain to me.

Again, I give thanks for having acquired a large readership. I don’t want to complain about the misunderstandings that have accompanied that popularity. I want rather to add a clarifying statement to the record for any and all who might care.

Thank you for reading this essay.
Anne Rice

_________________
Bebe comigo?

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://ailhadanoite.forumeiros.com
Jaja de Lioncourt
avatar
Administrador
Administrador

Mensagens : 6550
Data de inscrição : 03/01/2009
Localização : New Orleans

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   1/25/2009, 2:49 am

Vamos lá:

Acho que a melhor coisa no ensaio foi ela não renegar as Obras Góticas criadas por ela. Nota-se que apesar do afastamento do tema, seja o motivo que for (e que sabemos bem) ela não a condena aos leitores. Diferencia as obras.

O engraçado nessa história toda é que os dois baques que ela sofreu a jogou para a literatura gótica (a morte da filha), para depois arrancá-la pelo visto para não mais voltar (a morte do marido).

Para todos nós que nos sentimos órfãos dela, vale o registro que temos 20 livros maravilhosos para nos deleitarmos. Porém fica sempre o gostinho de "quero mais"...

_________________
Bebe comigo?

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://ailhadanoite.forumeiros.com
Gabrielle de Lioncourt
avatar
Co-Adm
Co-Adm

Mensagens : 3389
Data de inscrição : 05/01/2009
Localização : Around The World

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   1/27/2009, 12:10 am

Gostaria de le-la na integra, mas em inglês sou um desastre... poderia fazer a bondade de resumir um pouco o que ela diz, Jajá?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.thesenseofdoubt.blogspot.com/
Jaja de Lioncourt
avatar
Administrador
Administrador

Mensagens : 6550
Data de inscrição : 03/01/2009
Localização : New Orleans

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   1/27/2009, 1:29 am

Úia.

Em linhas gerais, ela no início faz uma apologia aos grandes escritores góticos para então falar que suas novelas não seriam "do mal". Seus personagens sempre estão a buscar a redenção e estão em constante dúvidas quanto ao mal que provocam. Diz que o mal nunca é glorificado, ao contrário sempre há uma luta contra o mal.

Ela tenta o tempo todo justificar perante os seus novos leitores de sua nova literatura cristã que os livros dela não são obras do mal.

Se alguém se prontificar a traduzir o texto na íntegra eu agradeço desde já, uma vez que eu infelizmente não tenho tempo de digitá-lo aqui.

_________________
Bebe comigo?

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://ailhadanoite.forumeiros.com
Gabrielle de Lioncourt
avatar
Co-Adm
Co-Adm

Mensagens : 3389
Data de inscrição : 05/01/2009
Localização : Around The World

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   1/28/2009, 12:26 am

Valeu pela resumida...

É bom saber que a Anne não renega a sua antiga obra...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.thesenseofdoubt.blogspot.com/
M@ry
avatar
Pandora (500)
Pandora (500)

Mensagens : 559
Data de inscrição : 11/01/2009
Localização : RJ

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   2/1/2009, 10:15 pm

eu estou traduzindo, já já eu posto.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Jaja de Lioncourt
avatar
Administrador
Administrador

Mensagens : 6550
Data de inscrição : 03/01/2009
Localização : New Orleans

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   2/2/2009, 12:23 am

Essa é a nossa M@ry!!! lol!

_________________
Bebe comigo?

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://ailhadanoite.forumeiros.com
M@ry
avatar
Pandora (500)
Pandora (500)

Mensagens : 559
Data de inscrição : 11/01/2009
Localização : RJ

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   2/2/2009, 1:11 am

Eu fiz esta tradução exclusivamente para quem não sabe falar inglês e que queria ler este (enorme) depoimento. xD
Se você sabe inglês, eu o aconselho a ler o texto orignal, pois como você deve saber, o inglês assim como qualquer outro idioma possui uma gama de palavras que possuem vários significado, e a tradução, como depende da interpretação de quem traduziu o texto acaba restringindo o leitor a uma interpretação que nem sempre é a correta.
Se você sabe inglês e resolveu ler a minha tradução assim mesmo e notou algum erro, me perdoe, nunca fiz curso de inglês, boa parte do que sei sobre este idioma eu aprendi sozinha, portanto, sou muito suscetível ao erro. Se sinta a vontade para apontar o erro e corrigí-lo, não ficarei magoada, ao contrário, ficarei grata, já que a minha intenção ao traduzir este texto foi fazer com que aquelas pessoas que não podem passassem a poder compreender as palavras que a nossa célebre autora Anne Rice escreveu.
Também gostaria de esclarescer que eu não traduzi a maior parte dos nomes próprios e dos títulos de livros citados neste depimento por razão pessoais, mas quem se interessar pode ficar a vontade para perguntar a mim a tradução para o português destes títulos e nomes pois eu sei da maioria deles.
Agora vocês podem aproveitar a leitura! Espero que gostem!

Aos Meus Leitores.

Desde a publicação de Christ the Lord, Out of Egypt, que inclui uma Nota do Autor a respeito da minha conversão ao cristianismo e meu novo compromisso para com a literatura cristã, eu tenho recebido muitos e-mail interessantes sobre os meus romances anteriores. Perguntas sobre a importância das minhas "histórias dark" surgiram, assim como do por quê de eu, como cristã, não renuncio trabalhos que incluem bruxas, vampiros e outros elementos sobrenaturais.

Eu tenho respondido esse e-mail um a um durante muitos anos.

Eu também recebi um corrente de e-mails de leitores das The Vampire Chronicles expressando descontentamento por eu ter abandonado estes livros

Perguntas de jornalistas sobre meus trabalhos anteriores e minha atitude sobre eles são tão frequentes agora quanto eram em 2005 quando Christ the Lord, Out of Egypt foi publicado.

Obviamente o assunto que interessa às pessoas, sobre o qual eu não falei em nenhuma entrevista coletiva, nem na televisão, nem no jornal, e nem no rádio, irá sossegar o interesse.

Então eu sinto que é imperativo realizar esta declaração agora - não apenas pelos novos leitores cristãos que não conhecem os meus trabalhos anteriores, mas para esclarescer os leitores mais antigos que têm me dado apoio, e os meus ávidos fãs restantes, dos meus livros anteriores.

A intenção aqui não é orfertar estes livros mais velhos aos leitores cristãos. É simplesmente esclarescer o que eu vejo como um grande equívoco sobre a natureza destes trabalhos.

Deixem-me começar dizendo que eu vejo os meus trabalhos anteriores como parte de uma longa tradição de "ficção dark" que inclui alguns dos mais estimados trabalhos religiosos lidos na cultura ocidental.
O Inferno de Dante é um trabalho dark onde o Inferno é descrito de forma bem detalhada. Hamlet e Macbeth de Shakespeare são ambos "trabalhos dark" nos quais fantasmas são uns dos protagonistas. Macbeth envolve três bruxas, assim como um fantasma, e as melhores falas da peça são ditas pelo niilístico vilão, o próprio Macbeth. Estas peças são tão altamente estimadas pela nossa cultura que, agora, Macbeht é lecionado nas aulas das escolas secundárias. Ninguém pode ser graduado hoje no ensino médio sem conhecer o fantasma do pai de Hamlet, ou sobre o louco e obssessivo grito de culpa reprimida por Lady Macbeth.

Outro trabalho dark, o poema mudialmente conhecido de John Milton, Paradise Lost, se foca intensamente na população do Inferno, e alguns dizem que seu verdadeiro herói é Satã, um personagem que aparentemente possui as melhores linhas do livro.

Frankenstein de Mary Shelley, um clássico dark, e uma acusação altamente moral sobre o médico louco pela sua intromissão na vida e na morte e pelo abandono do monstro, sua cria miserável.

Os romances das irmãs Bronte são algumas das mais famosas "histórias dark" do século XIX, e Jane Eyre, com o pálido espectro da mulher louca descoberta no sótão da casa do Mr. Rochester- e o chamado sobrenatural de Jane para retornar ao seu ex-amante - é, sob qualquer padrão, um trabalho seminal. A primeira vez que li este livro foi na biblioteca da minha escola católica secundária em Nova Orleans.

Durante este mesmo período, eu li dentre nossos romance, Great Expectations de Charles Dickens, uma implacável história dark sobre as ambições e sofrimentos de um rapaz dominado pelo horror gótico da doente mental Miss Havisham, uma mulher que vive fora de sua vida num pútrido vestido de noiva próxima à mesa de um pútrido banquete de casamento, enquanto ela destrói a inocência do herói e da heroina do livro,

Christmas Carol de Dickens, uma história de fantasmas gótica, é até mais conhecida que Great Expectations, é extremamente visada como uma das melhores histórias de Natal já escritas. O livro convida o leitor a uma jornada de dor e escuridão comandada por três fantasmas. Os vitorianos tinham uma longa tradição de contar histórias de fantasmas na época de Natal. Eles não duvidavam da moralidade do gênero.

As pequenas histórias de Nathaniel Hawthorne, escritas na América, envolvem bruxas e Satã, e são altamente morais. Eu recomendo acima de todas as outras, a pequena história Young Goodman Brown, que envolve um homem inocente que testemunha um sabá das bruxas.

A obra de arte de Herman Melville, Moby Dick, é uma intensa história dark, envolvendo temas bíblicos e violência, como o famoso Capitão Ahab, em busca da baleia branca, quase leva a sua tripulação inteira a um túmulo aquático.

Pessoalmente, eu não sou fã de Flannery O’Connor, mas eu seria negligente se não mencionasse suas dark e violentas pequenas histórias e que ela era considerada uma seguidora do cristianismo que via alto significado moral em seu trabalho.

Eu poderia listar muitos outros exemplos. Me deixe adicionar apenas a lenda de Faust. Esta é uma das mais famosas histórias dark em qualquer idioma. Para aqueles que acham a versão de Goethe exigente demais, há a ópera Faust de Gounod - uma bela é muito acessível versão do velho conto.O filme mudo de F. W. Murnau é agora diponível para o público também.

Meu ponto aqui é que essas "histórias dark" fazem parte da nossa literatura a um bom tempo, e elas são vistas como possuidoras de um grande valor pelas pessoas fluentes do Ocidente.

Eu tenho uma idéia muito fudamentada quando digo que essas histórias são tranformativas. Elas convidam o leitor a uma jornada que reflete sobre a perfeita fórmula de Aristotle para o bom drama: quando alguém lê (ou assite o filme ou a peça), ele sente compaixão e medo, e eventualmente purgativas experiências. Ele é levado de um lugar, atráves da experiência literária, para um onde ele poderia jamais ter ido sozinhos. Eu sinto fortemente que essas histórias dark buscam que os seus leitores sofram tranformações; elas requerem um certo sofrimento de seus leitores como o preço de uma eventual afirmação.

Eu gostaria de dizer que meus romances sobre vampiros e outros romances que eu escrevi, como a trilogia da família Mayfair, e os romances, Servant of the Bones, Violin, Cry to Heaven e Feast of all Saints, são tentativas de serem história transformadoras também. Todos esses romances envolvem um forte limite moral. O mal nunca é glorificado nestes livros; ao contrário; a contínua batalha contra o mal é o tema do trabalho.

Interview with the Vampire, o romance que me trouxe à atenção do público, é sobre o desespero de uma existência alienada que procura o mundo por alguma esperança de que sua existência possa ter um significado. A sua natureza vampírica é claramente uma metáfora para a conciência humana ou percepção mortal. O principal tema do romance é o mistério deste personagem porque ele não pode achar redenção e não tem forças para acabar com o mal do qual ele mesmo sabe que faz parte. Este livro reflete para mim um protesto contra o niilismo da Segunda Guerra Mundial para o qual eu fui exposta no colégio de 1960 até 1972. É uma expressão do luto por uma geração perdida religiosamente que parecia naquela época longe da recuperação.

Por eu ter escrito tantos livros, eu irei escolher apenas mais um outro exemplo: o livro sobre o vampiro Marius chamado Blood and Gold. O tema deste romance tem que ser queira ou não a Renascença Italiana e o movimento artístico que refletiu seu humanismo pode resgatar o personagem principal e aqueles quem ele procurou como pastor e aprendizes, como ele mesmo procurou criar boas obras de arte. O debate entre os personagens Marius e Armand tem a ver com o humanismo Renascentista que pode resgatar Armand do desespero depois da perda da sua infância ortodoxa russa. Os verdadeiros vilões do livro - um bando de Satanistas que são apresentados impiedosos bem como cruéis e iludidos- destroem o lindo refúgio que Marius tinham criado para sua "família" e para ele mesmo.

Muito poderia ter sido dito, e foi dito, sobre todos os meus trabalhos. Eu gostaria de dizer uma coisa que os une ao tema da procura moral e espiritual. Um segundo tema, chave da maioria deles, é a procura do proscrito por um contexto de significado, sejá lá o proscrito um cantor de ópera castrati do século XVIII, ou um menino mestiço de New Orleans, ou uma pessoa forçada a uma monstruosa existência predatória como o jovem vampiro, Lestat. Para mim estes temas são inerentemente significativos e nobres. Eles são de exploração significativa; eles são evocativos; ele podem e refletem as mais profundas questões que os humanos enfrentam.

Porém, de alguma forma, meus romances anteriores têm sido rejeitados - por pessoas que não os leram - como "trabalhos imorais". Eles não são trabalhos imorais. Eles não são trabalhos satanistas. Eles não são trabalhos demoníacos. Estas são desinformadas e injustas caracterizações destes trabalhos, e isso me causa uma profunda dor pessoal.

Se eu tivesse que fazer de novo, eu não usaria a plavra "vampiro" nos meus romances. Em 1976, quando Interview with the Vampire foi publicado, não havi "literatura vampírica" publicada na América. Não havia "cultura gótica". Centamente não havia "estilo de vida vampírico" e eu não tenho certeza se há algum "estilo de vida vampírico" hoje em dia. Pelo que eu saiba vampiros não existem. Eu certamente não acredito que vampiros existam.

Em 1976, eu senti que o vampiro era a metáfora perfeita para o proscrito em todos nós, o alienado em todos nós, aquele que se sente perdido em um mundo aparentemente sem Deus. Em 1976, eu senti que eu existia em um mundo, e que eu estava procurando por Deus. Eu nunca sonhei que aquela palavra, vampiro, iria prevenir as pessoas para examinarem este livro como trabalho metafísico. Eu achei que o uso da palavra era um poderoso artifício.

Quando eu olho para trás, eu tenho que dizer que o uso desta palavra de fato chamou a atenção do público, mas chamou esta atenção com um terrível preço.

Eu também tneho que confessar que, quaisquer que sejam minhas intenções, não há agora nenhum consenso entre meus muitos leitores com o que todos estes livros anteriores significam para mim. Algumas vezes, isso é interessante e encorajador. Outras vezes, isso pode fazer com que o autor entre em desespero.

Eu obtive não somente um grande sucesso popular, mas atenção realmente crítica também. Eu tive a grande honra de ter autografado meus livros para estudantes na escola secundária e na faculdade. Mas também obtive quase que diariamente a evidência de que eu era rejeitada como alguma espécie de escritora demoníaca - ou escritora popular gótica - por aqueles que nunca leram uma palavra destes livros.

A existência do meu público gótico continua criando equívocos. Porém, eu permaneço convicta que muitos destes jovens leitores "góticos" que escrevem para mim são famintos pelo transcedência. Eles são atraídos por estes livros porque eles acham seu meio ambiente estéril, secular, e materialista e de uma grande extensão insatisfatória. Eles "se indentificam" com os meus heróis porque os meus heróis procuram pela beleza e pela verdade. Estes jovens leitores têm me enviado uma avalanche de poemas e desenhos com o passar dos anos. Eles, como os demais leitores, demonstram abertura à pintura, música, história, e filosofia discutidas nos meus livros. Estes leitores estão procurando por algo resitente e por algo significativo, e eu estimo a resposta deles aos meus livros.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
M@ry
avatar
Pandora (500)
Pandora (500)

Mensagens : 559
Data de inscrição : 11/01/2009
Localização : RJ

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   2/2/2009, 1:12 am

Há aqueles que possuem visões euivocadas sobre estes livros? Claro. Qualquer arte envolve risco. As belas figuras nuas de Michelangelo no teto da Capela Sistina fez com que um Papa mais recente quisesse cobrir suas partes privadas. História não fazia o tipo deste Papa. Até mesmo um belo Cartão Sagrado, com um Jesus de rosto feminino suavemente curvado diante o espectador pode alienar alguém da religião que ache a imagem adocicada e insípida e que conclua que a religião por si só é artisticamente e moralmente falida.

Não há arte sem risco. Não há arte Cristã sem risco. Ler um livro é uma experiência. Olhar para uma pintura é uma experiência. Não há experiência sem risco.

De novo, eu não encorajo os leitores Cristãos a se aproximarem dos meus livros anteriores. Não é o meu propósito aqui. Meu propósito, de qualquer forma, era esclarescer a abição destes livros, a intenção da autora ao escrever algo de complexo e inato valor, algo que vai mudar o leitor para melhor.

Leitores individuais, e a história, vão determinar queira ou não se eu fui sucedida nas minhas intenções. Mas pelos menos você sabe agora o que me levou a criar estes livros e que eu não posso e não vou renunciar a eles. E talvez você irá me perdoar se eu disser aqui que os meus livros anteriores sempre divertiram, desde o começo, um grande público Cristão, e alguns de um público literário, aceitaram aqueles que gostavam os seus temas espirituais e morais.

Para mim, todo o corpo dos meus livros anteriores, refletem um movimendo sobre Jesus Cristo. Em 2002, eu consagrei meu trabalho a Jesus Cristo. Isto não envolve uma denúncia aos meus trabalhos anteriores que refletem uma jornada. Foi preferivelmente uma declaração que a partir de então eu iria escrever diretamente para Jesus Cristo. Eu iria escrever livros sobre a salvação, como o oposto da alienação; Eu iria escrever livros sobre a reconciliação em Cristo, preferíveis a livros sobre a luta por respostas num mundo aparentemente ateu da Sengunda Guerra Mundial.

Os meus livros refletem agora o que eles sempre refletiram, o que eu vejo e sinto e luto para entender.

Me deixe também afirmar o seguinte: minha meta foi sempre escrever conforme a tendência. Eu sempre tentei criar livros que pudessem ser lidos por crianças de 11 anos e também por adultos de todos os meios de vida. Eu nunca quis escrever para uma elite. Entreterimento, enredo, ação, personagem- todos estes elementos são importantes para mim. Eu acho que livros para o público popular podem ser ótimos livros. Dickens é o meu herói porque ele era um escritor popular e um ótimo escritor. Isto é o que eu gostaria de ser.

Portanto os meus livros são deliberadamente a mistura de vários ingredientes. Eles funcionam em diferentes níveis. Eles inevitavelmente atraem pessoas diferentes por razões diferentes. Mas a popularidade sozinha tem trazido o preconceito de algumas pessoas contra eles. E isto é uma grande dor para mim.

De novo, eu agradeço por ter enfrentado uma longa leitura. Eu não quero me queixar dos equívocos que acompanham a popularidade. Eu queria registrar uma declaração esclarescedora para qualquer um que pudesse se importar.

Obrigada por ler este rascunho,
Anne Rice.


Última edição por M@ry em 6/26/2009, 7:14 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Gabrielle de Lioncourt
avatar
Co-Adm
Co-Adm

Mensagens : 3389
Data de inscrição : 05/01/2009
Localização : Around The World

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   2/2/2009, 10:37 am

Valeu mesmo, M@ry!

Queria muito ler o texto na íntegra, e não sei nada de inglês...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.thesenseofdoubt.blogspot.com/
M@ry
avatar
Pandora (500)
Pandora (500)

Mensagens : 559
Data de inscrição : 11/01/2009
Localização : RJ

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   2/2/2009, 1:41 pm

É bom ter ajudado!

Beijos a todos.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Jaja de Lioncourt
avatar
Administrador
Administrador

Mensagens : 6550
Data de inscrição : 03/01/2009
Localização : New Orleans

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   2/2/2009, 5:59 pm

SUPER M@RIIIEEEEEE!!!!!!!! cheers

Valeu amigaaaaa!!!!

_________________
Bebe comigo?

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://ailhadanoite.forumeiros.com
M@ry
avatar
Pandora (500)
Pandora (500)

Mensagens : 559
Data de inscrição : 11/01/2009
Localização : RJ

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   2/2/2009, 10:56 pm

hohoho *-*v
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Milena
avatar


Mensagens : 14
Data de inscrição : 05/02/2009
Localização : RJ

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   2/13/2009, 3:22 pm

A Anne não só não renegou suas obras anteriores como tentou esclarecer o que realmente significavam. Aquela discussão lá na comunidade sobre essas novas obras sobre Jesus (no tópico que diz que pretende, filmar) realmente revelam o quanto muitos dos leitores são realmente vazios; vazios de crenças, vazios de respeito pela opinião do próximo (até as opções da p´ropria autora), vazios até mesmo de opiniões próprias.

Aaueles clichês do tipo: "- Ih, Jesus?! Fala sério!" ou "Anne Rice e Jesus" ou "Anne Rice e livros religiosos; blaaaarg, nada a ver".... estescomentários estão simplemente me iritando. A galera tinha que procurar conhecer e não ficar tacando pedras. Se o povo visitasse a página principal da autora... mas nem esse trabalho se dão. Aposto que nem o trabalho de ler as notas que ela escreve sobre suas próprias notas - que fazem parte do conteúdo da obra também, embora não seja mais a história, mas está no conjunto - mas nem isso fazem.

Após ler essas declarações, se eu já a admirava artísticamente, agora ainda mais como pessoa.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Jaja de Lioncourt
avatar
Administrador
Administrador

Mensagens : 6550
Data de inscrição : 03/01/2009
Localização : New Orleans

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   2/13/2009, 5:13 pm

Já que acha que eles estão falando besteira (e estão!) fique aqui mais conosco do que por lá... What a Face

_________________
Bebe comigo?

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://ailhadanoite.forumeiros.com
M@ry
avatar
Pandora (500)
Pandora (500)

Mensagens : 559
Data de inscrição : 11/01/2009
Localização : RJ

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   2/13/2009, 8:31 pm

Na boa, da vontade de tacar pedra nesse pessoal. HhauHAUha.
Falando sério, esse povinho da comunidade "Anne Rice - Brasil" tá me irritando profundamente.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Milena
avatar


Mensagens : 14
Data de inscrição : 05/02/2009
Localização : RJ

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   2/15/2009, 11:09 pm

Acabei de sair da comunidade Anne Rice Brasil; saí com os dois profiles, o de Anne e o meu mesmo. Eu num tava mais suportando ler aquelas baboseiras daquele povinho superficial em sua maioria. Tava tão revoltada quando escrevi meu último post avisando q tava metendo o pé q saiu cheio de erros de digitação rsrsrs. Mas acho q no geral dá pra entender o q eu tava sentindo e precisava dizer. Bom, galera, vcs ainda saberão minha opinião sobre os mais diversos temas que discutimos aqui porque aqui existem pessoas sensatas e maduras, desprovidas de preconceitos e com mente aberta pra o verdadeiro significado de discussão no sentido de troca de idéias, pensamentos, experiências.

Estou amando participar desse forum com vocês e já os tenho como amigos; sinto falta quando não posso acessar ^^.

Boa noite, fiquem com Deus, bjnhs para todos.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
M@ry
avatar
Pandora (500)
Pandora (500)

Mensagens : 559
Data de inscrição : 11/01/2009
Localização : RJ

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   2/16/2009, 12:07 am

Aaah acabei de ler seu post lá na comunidade ahsuahsua.. Acho que vc fez bem de uma certa forma, Milena.

Bjos a todos.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Jaja de Lioncourt
avatar
Administrador
Administrador

Mensagens : 6550
Data de inscrição : 03/01/2009
Localização : New Orleans

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   2/16/2009, 1:22 am

Aqui vc está em familia amiga... Very Happy

_________________
Bebe comigo?

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://ailhadanoite.forumeiros.com
NÍS de Lioncourt
avatar
Louis (100)
Louis (100)

Mensagens : 257
Data de inscrição : 13/06/2009
Localização : Em paris ao lado de Lestat de Lioncourt

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   6/26/2009, 7:28 am

JaJa eu vo le com calma depois eu comento OK? É muito grande rsrssr
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
The Doctor
avatar
Pandora (500)
Pandora (500)

Mensagens : 538
Data de inscrição : 01/02/2010
Localização : Porto Alegre - Rio Grande do Sul

MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   3/1/2010, 1:11 pm

Devo dar meu apoio a Anne, quanto a essas questões, pois estou de acordo. Renegar a própria obra, creio eu, seria o mesmo que rejeitar a si, o próprio passado, a vida que viveu. Anne não precisa ter vergonha do que escreveu, do que pensava e tudo o mais. Se ela diz que hoje está melhor, que evoluiu, ela deve créditos a todo o trabalho antigo também, pois fora isso que a levou ao que é hoje. É transformador, sim. Trata-se de um reflexo transformador.

Ler e escrever ao mesmo estilo anterior não significa decair; não há nada de demoníaco nessas obras, como a mesma citara. Esse é um pensamento primitivo, superficial; é ridículo. SÃO OBRAS RICAS! Há muito de nossa essência, das coisas ao nosso redor, está tudo – ou quase – ali! O mesmo é aplicado aos outros escritores mais dignos como Anne.

Ainda não li os novos trabalhos de Anne, porém, mesmo sendo atéia, pretendo devorá-los e aproveitar o que me parecer convincente. Espero tê-los em mãos até o final do ano. Patético julgar o novo estilo, sem ter posto a mente a trabalhar sobre o conteúdo.


“There is no experience without risk.” E dito!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 

Anne fala do seu trabalho. (Tradução na íntegra no fim da pág 1)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 2Ir à página : 1, 2  Seguinte

 Tópicos similares

-
» The Hollies - Carrie Anne.
» Bom trabalho X Péssimo trabalho
» Começo de trabalho e já dando dicas
» Alguém fala aí algumas músicas massas pra mim baixar?
» VIP CALL - Bill fala sobre a música "If I Die Tomorrow" (11/06/2012)

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
A Ilha da Noite :: BIBLIOTECA SECULAR :: A GRANDE CRIADORA-